Primeira vez aqui? Seja bem vindo e cheque o FAQ!
x

Quais as referências que devo conhecer para desenvolver uma análise empírica usando redes complexas?

0 votos
107 visitas

1 Resposta

0 votos
respondida Set 2, 2015 por danielcajueiro (5,566 pontos)  

Normalmente você deseja fazer uma análise empírica, pois deseja responder perguntas interessantes. Exemplos de perguntas interessantes em várias áreas que podem ser abordadas usando redes complexas você pode encontrar aqui. Existem dois caminhos usuais para prosseguir com uma análise empírica:

1) Coletar dados e usar "estátisticas" para responder a pergunta desejada. Grande parte da literatura foca nesses procedimentos, pois em geral é mais fácil coletar dados do que promover experimentos.

2) Fazer experimentos controlados para tentar responder perguntas. Pelo que eu saiba, essa linha de pesquisa tem ficado mais restrita a algumas áreas específicas como marketing. Por um lado, porque é possível pensar em experimentos de influência nessa área (por exemplo, é muito difícil você fazer um experimento em biologia que mexa numa cadeia alimentar ou em banking que realmente mexa no sistema bancário). Por outro lado, porque fazer experimentos é custoso e muito difíceis de projetar e rodar.

Tendo feito essa introdução, para trabalhar com a forma (1) acima, eu sugiro inicialmente que você dê uma olhada nos livros apresentados nessa resposta.

Os artigos que apresento abaixo são exemplos de artigos empíricos que tocam em pontos particulares não considerados usualmente em outros artigos:

Watts e co-autores fizeram um estudo sobre influência (no sentido de promover um retwitter) e determinantes de hits no Twitter. Um resultado interessante é que apenas 2% de todos os twitters estudados são hits. Outro resultado importante é que o poder de celebridadades de gerar hits é limitado. Muitos dos hits são de celebridades, mas é difícil dizer quando cada um deles vai ser ou não um hit. Portanto, é melhor uma estratégia "ótima" de marketing que considere celebridades (que são mais caras) e também pessoas comuns. O artigo é S. Wu, J.M. Hofman, W.A. Mason, and D. J. Watts, Who says what to whom on twitter, in Proceedings of the 20th international conference on World wide web, 2011.

Alguns artigos estudam o problema de medir influência em redes como, por exemplo, o facebook. De fato, medir influência é muito mais complicado do que pode parecer. Simplesmente você dar um like no facebook não significa que você foi realmente influenciado, pois o interesse do vendedor é que você compre o seu produto. Por outro lado, como separar se o seu amigo foi influenciado ou ambos de antemão já gostavam da mesma coisa?

Aral et. all. Distinguishing influence based contagion from homophily-driven diffusion in dynamic networks. PNAS, v. 106, n. 51, 2009.

Experimentos interessantes sobre influência estão em:

M.J. Salganik and D.J. Watts, Web-Based Experiments for the Study of Collective Social Dynamics in Cultural Markets, in Topics in Cognitive Science, vol. 1, no. 3, pp. 439–468, Wiley Online Library, 2009.

Lev Muchnik, Sinan Aral, Sean J. Taylor Social Influence Bias: A Randomized Experiment. Science v. 341, p. 647-651.

...