Primeira vez aqui? Seja bem vindo e cheque o FAQ!
x

Por que as pessoas são gentis?

+2 votos
521 visitas
perguntada Set 25, 2015 em Ciência Social por danielcajueiro (5,356 pontos)  

Existem modelos para justificar a gentileza das pessoas?

A imagem será apresentada aqui.

Compartilhe

1 Resposta

+2 votos
respondida Set 25, 2015 por danielcajueiro (5,356 pontos)  

Essa pergunta é muito mais geral do que qualquer abordagem que eu possa fazer aqui, mas eu vou tentar dar uma resposta olhando pelo menos uma dimensão interessante. Talvez outros possam explorar outras dimensões.

O que é ser gentil?

De acordo com o Aurélio é Nobre, generoso e cavalhereisco.

**Nobre: é aquele generoso, magnâmico.

Magnâmico: que tem alma nobre e generosa.

Generoso: que gosta de dar, que perdoa com facilidade.

Cavalheireisco: é próprio de cavalheiro, nobre, distinto

Logo, generosidade é uma característica explícita de uma pessoa gentil.

Você pode me dar um exemplos de generosidade ou gentileza?

Por exemplo, oferecer seu assento a uma pessoa mais idosa é um exemplo interessante.

Note que nesse exemplo você paga um custo (ficar em pé) para dar um benefício a uma outra pessoa.

No nosso contexto, talvez gentileza aqui possa ser traduzido como comportamento cooperativo (que trabalha para o bem comum). Note que a idéia é a seguinte. Em geral, para cooperar com alguém você aceita pagar um "custo" para gerar um benefício para um outro (ou outros).

O ponto de partida para a discussão que irei fazer é o Dilema do Prisoneiro que oferece uma excelente metáfora para cooperação, que é muito usada em Teoria dos Jogos:

Considere que você e seu cúmplice tenham sido presos e acusados de um crime sério. Vocês são interrogados em salas separadas e o promotor os oferece um acordo. Se um de vocês incriminar o outro (não-cooperar com o parceiro), enquanto o outro ficar em silêncio (cooperar com o parceiro), aquele que incriminou sairá livre (Payoff 5), enquanto o outro pegará a pena máxima (Payoff 0). Se ambos ficarem em silêncio, não haverá evidência suficiente e ambos receberão uma sentença menos séria (Payoff 3 para ambos). Finalmente, se ambos incriminarem um ao outro, os dois pegarão uma pena intermediária (Payoff 1 para ambos).

Note que conjuntamente ambos ficariam melhor se confiassem um no outro e recebessem uma penas menos séria. Mas para isso ambos precisariam pagar um custo (reduzir o benefício individual deles que seria sair livre). Nesse caso, especificamente, o incentivo para desviar do comportamento cooperativo é muito alto e ambos desviam incriminando um ao outro (não-cooperando) pegando uma pena intermediária. Note que incriminar o companheiro é a estratégia dominante. Independente da estratégia que seu companheiro use se você incriminar o seu companheiro, você se sairá melhor do que se não incriminar.

Então, de acordo com o Dilema do Prisoneiro não haveria espaço para gentilezas, visto que "incriminar" o companheiro é sempre a melhor estratégia. Obviamente, esse tipo de estratégia não é a estratégia que usamos no dia a dia - veja alguns fatos do dia a dia aqui. Pelo menos a maioria das pessoas não acorda pela manhã explorando os outros, mas muitas vezes está disposta a pagar um custo para gerar benefícios para os outros. Por que isso não ocorre nesse jogo? O Dilema do Prisoneiro está errado? NÃO!

Qual dimensão está faltando?

Na vida real, as pessoas não interagem uma única vez com os outros, mas sim várias vezes, e você não vai querer ferrar um conhecido se você acha possível que no futuro você vai interagir com ele novamente.

Essa teoria já foi testada?

Sim (:-)! De fato, para descobrir a melhor forma de jogar esse jogo repetido, Robert Axelrod, um Professor da área de Ciência Política da Universidade de Michigan desenvolveu um torneio, onde vários pesquisadores da área de teoria de jogos poderiam submeter um programa que geraria sua estratégia para jogar esse jogo baseado em jogadas anteriores do jogo com o mesmo parceiro.

Ao todo foram testadas 15 estratégias, onde uma delas, em que aleatoriamente coopera ou não-coopera, foi introduzida pelo próprio Robert Axelrod. A grande vencedora desse primeiro torneio, foi a chamada Tit for Tat. A figura abaixo apresenta uma pequena amostra do que foi o torneio.
O código usado para fazer essa simulação está aqui.

A imagem será apresentada aqui.

Nessa simulação testamos as seguintes estratégias e tivemos os seguintes payoffs agregados entre colchetes divididos pelo número interações entre os agentes:

1) allD (All Defect) ou nunca coopere. Algumas vezes essa estratégia é conhecida como Lúcifer [1.10].

2) allC (All Cooperate) ou sempre coopere. Algumas vezes essa estratégia é conhecida como Jesus [1.05].

3) Rand (Random) ou decida aleatoriamente se você deve ou não cooperar [1.13].

4) Tit for Tat: Comece sendo gentil (coopere) e depois repita sempre o que seu parceiro fez no instante anterior [1.23].

Os gráficos de barra da figura acima comparam as estratégias descritas acima duas a duas: allD x allD, allD x allC, allD x rand, allD x titForTat, allC x allC, allC x Rand, allC x tit, rand x rand, rand x tit, tit x tit.

Por que a estratégia Tit for Tat é tão interessante?

Ela é uma estratégia muito simples e fácil de entender. Se você está jogando com alguém que coopera, você coopera também. Em caso contrário, você deixa claro que não gostou punindo o seu parceiro. Tem uma característica especialmente interessante nessa estratégia: Ser gentil! Como a figura acima mostra, você exige muito pouco do seu parceiro. O payoff de Tit for Tat é sempre muito próximo do parceiro. Ela não quer explorar o seu parceiro, mas ganhar junto com ele.

Você começa sendo gentil (cooperando). Se seu parceiro é gentil também, vocês continuam trocando gentilezas. Por outro lado, se seu parceiro não é gentil, você deixa claro que não gostou do comportamento dele. Mas se ele muda de idéia e volta a ser gentil novamente, você dá o perdão e volta a ser gentil com ele.

Logo, quando o Dilema do Prisoneiro é jogado repeditidas vezes com o mesmo parceiro cooperar ou ser gentil é uma opção interessante. Esse tipo de cooperação é chamado de cooperação por Reciprocidade Direta.

É válido mencionar que existem várias variações da estratégia Tit for Tat. Uma delas particularmente interessante é a chamada Tit for Tat generosa, que em ciclos de não cooperação, ela com probabilidade 1/3 tentar fomentar cooperação.

Quais as características necessárias para que surja Cooperação por Reciprocidade Direta?

É fundamental que você tenha repetidos encontros com a mesma pessoa e você se lembre do comportamento do indivíduo nos encontros anteriores.

Existem outras estratégias interessantes e ou outros fenômenos que podem ser responsáveis por cooperação nas sociedades humanas?

Sim, existe muito de tudo. De fato, o comportamento humano e a evolução das normas sociais são muito complexos para serem modelados apenas por uma dimensão bem simples.

Uma outra dimensao importante que sem dúvida influenciou na evolução das normas sociais e cultura é a idéia de Cooperação por Reciprocidade Indireta. Nesse caso, se você é uma pessoa gentil, as pessoas (mesmo que não tenham recebido gentilezas diretamente) gostarão de serem gentis com você. Gentileza gera gentileza. Pessoas mais gentis, terão maior reputação e por isso também receberão mais gentilezas. De fato, Cooperação por reciprocidade indireta é uma dimensão fundamental para a evolução de normas sociais que conhecemos hoje e que prezam comportamentos gentis.

Como eu posso aprender mais sobre esse tema?

Sugiro que você olhe uma dessas referências apresentadas aqui.

VAI A DICA, SER GENTIL É UMA ESTRATÉGIA VENCEDORA

comentou Nov 12, 2015 por Lincoln Guabajara (31 pontos)  
Existe alguma possibilidade das pessoas em Brasília se tornarem mais gentis?
comentou Nov 13, 2015 por danielcajueiro (5,356 pontos)  
De uma forma geral,se as pessoas que não são gentis estiverem sendo penalizadas de alguma forma, "sim"!
...