Primeira vez aqui? Seja bem vindo e cheque o FAQ!
x

Quais foram os melhores livros lidos por você em 2019 e que você gostaria de recomendar?

+2 votos
96 visitas
perguntada Jan 21 em Vida Universitária por Stuart Mill (1,474 pontos)  
Compartilhe

4 Respostas

+2 votos
respondida Jan 21 por Raíssa (876 pontos)  

Dois livros do Kafka me impressionaram pela beleza da escrita:
O Processo Livro na Amazon e o Castelo link da Amazon.
Sobre economia o livro da McCloskey Os pecados secretos da Economia me encantou muito.

comentou Jan 22 por danielcajueiro (6,086 pontos)  
McClokey é fantastica. Sugiro fortemente https://www.amazon.com/Cult-Statistical-Significance-Economics-Cognition/dp/0472050079/ref=sr_1_1?keywords=mccloskey+significance&qid=1579698344&sr=8-1.
Kafka conheço pouco. Estou com dois livros aqui para ler, mas sempre aparece algo e passa na frente.
+2 votos
respondida Jan 22 por danielcajueiro (6,086 pontos)  

Dos 40 e poucos livros que li em 2019 (excluindo os tecnicos), vale a pena comentar os seguintes:

1) O melhor em minha opiniao. Acho que vale a pena ler e reler todas as linhas:
The Big Gatsby - Fitzgerald. Nunca tinha lido antes.

2) Lea's a Novel - Pascal Mercier. Eu li a versão em português chamada de "A partitura do Adeus". Um livro absurdamente bem escrito e conciso. Sem errolação. Mas um dos livros mais triste que já li.

3) A crônica do passáro de corda - Haruki Murakami. É o Haruki Murakami -- ou se gosta do estilo ou não. Surrealismo fantástico - gosto do estilo. Alguns dizem que é a versão japonesa do Gabriel Garcia Marquez (de 100 anos de solidão). Não conheço tanto o Gabriel Garcia Marquez, mas apenas esse livro. Eu gosto bastante do Haruki principalmente das coisas modernas. Li vários livros dele. Esse livro "Cronica do Passaro de Corda" é o meu preferido do Haruki. Outros que gostei e li no passado são "Dance, Dance, Dance", "Romancista como vocação" e "O incolor Tsukuru Tazaki e seus anos de peregrinação". Atualmente estou lendo 1Q84 (são três volumes) e estou gostando. Achei médio "Norwegian wood" e não gostei de "Kafka a beira mar".

4) 4 livros de ciência popular que valem muito a pena serem lidos: "Hitmakers" - Thompson, "The best seler code" - Jockens and Archer, "Superprevisões" do Tetlok (não é o tetlok de mídia em economia, é outro) e Prediction Machines - Agrawal.

5) "Como se encontrar na escrita" - Ana Holanda. Gostei do livro. É um livro sobre escrita, mas com um estilo bem diferente. Vale muito a pena a leitura.

6) Hibisco Roxo - Adiche. Essa autora tem duas linhas de livros. Uma das linhas é esse que fala da vida na Nigeria depois da colonização. Gostei muito do livro. Não li ainda o "Americanah", mas acho que o é o mesmo estilo. Ela tem uma outra corrente de livros sobre feminismo que em minha (humilde) opinião a visão dela é totalmente equivocada do mundo, mas como liberal respeito qualquer visão de mundo - mas não recomendo.

7) A casa dos budas ditosos - João Ubaldo Ribeiro. Fala sobre prostitutas na bahia. Eu gostei do livro, mas recomendaria com receio, pois ele é bem pesado e de baixo calão. João Ubaldo Ribeiro é um dos melhores autores brasileiros. Preciso definitivamente ler "Viva o povo brasileiro".

8) Li dois romances ambientados na China. Ambos muito bons, mas ambos são um pouco tristes. Meia noite em Pequim (história verídica) - Paul French e Borboleta de Papel - Liang.

comentou Jan 22 por Stuart Mill (1,474 pontos)  
O Superforecasters do Tetlock é muito bom.  Realmente apresenta formas diferentes pra pensar em previsão, pequenas diferenças de escolhas que fazem grandes diferenças no total. O Prediction Machines também é muito bom, principalmente por conectar machine learning com a economia.
+2 votos
respondida Jan 22 por Valério Londe (41 pontos)  

Li 30 e poucos livros em 2019.

Vou fazer os 3 melhores aqui.

O último sopro de vida -- Livro escrito pelo Paul Kalanithi um pouco antes de morrer. Ele foi um médico, 36 anos, no auge da carreira e com a proposta de emprego dos sonhos para ser cientista em Stanford. Mas, de repente, ele descobriu que estava com um câncer terminal. É um livro em prosa linda. Ele conta todo o processo de descobrimento da doença e a decisão de ter um filho. De fato aqueles que estão morrendo são um dos que mais tem a nos ensinar sobre a vida.
A menina da montanha -- Tara Westover. Conta a trajetória de uma menina americana que foi pisar em uma sala de aula pela primeira vez aos 17 anos e que conseguiu virar doutora em história pela universidade de Cambridge. É um livro muito bem escrito e mostra o triunfo da educação; mas mais do que isso, é um livro com muito drama familiar e relações complicadas. Foi um dos melhores livros que li na vida. Ela foi criada por mormóns e nunca tinha ouvido falar sobre nazismo antes de entrar na faculdade.
Leonardo da Vinci -- Walter Isaacson. Uma das melhores biografias de um grande gênio escrita pelo maior biógrafo da atualidade. O livro é denso e cheio de informações, conta a vida e obra do Leonardo de um jeito muito profundo. É espetacular conhecer mais sobre a vida dele e entrar na cultura de Florença, ROma e MIlão do século XV. Recomendo muito e dá para aprender demais com essa biografia.

comentou Jan 22 por danielcajueiro (6,086 pontos)  
Boas sugestoes.
+1 voto
respondida Fev 3 por Stuart Mill (1,474 pontos)  

FICÇÃO:

  • Fahrenheit 451: É um livro de distopia clássico, que eu nunca tinha lido, em que os livros são banidos e os bombeiros são responsáveis por queimar os livros e as casas das pessoas que os tenham. Pra dizer a verdade não achei tão bom quanto Brave New World e 1984 por exemplo, mas eu diria que vale a pena (não é um livro muito longo também).
  • Lord of the Flies: Outro clássico da literatura (rendeu o Nobel ao Golding) que narra a história de um grupo de meninos que ficam isolados em uma ilha durante a segunda guerra, e desenvolvem do nada uma sociedade própria que vai gradualmente da razão à barbárie.

CIÊNCIA POPULAR:

  • Grit: Esse livro é da Angela Duckworth, uma psicóloga que ganhou a bolsa MacArthur em 2013 e esteve bem em alta nos últimos anos, e fala sobre seus estudos acerca de "grit" (que ficou traduzido como "garra").

  • Superforecasters: É uma excelente leitura para quem se interessa por previsão, já foi citado aqui na pergunta.

  • 12 Rules for Life: an antidote to chaos: É um bestseller do Jordan Peterson com várias ideias interessantes e contraintuitivas (principalmente, contra o senso comum esperado de hoje). Talvez fique mais perto da auto-ajuda, que é um gênero que eu pessoalmente não gosto, mas o texto do Peterson tem uma forma e um embasamento que para mim fizeram valer a pena.

ECONOMIA:

  • The Law (Bastiat): Uma defesa do liberalismo radical após a Revolução Francesa. Nesse livro Bastiat toca na ferida que é a relação entre o estado e a lei, e como o primeiro molda o segundo à vontade, em direção ao objetivo de aumentar indefinidamente.
  • Utilitarianism (Mill): Querendo ou não, Mill foi um gênio em áreas variadas, entre a escrita, a filosofia, a ética, a lógica, a economia, etc. Nesse livro, Mill apresente a base do utilitarianismo. Não é um livro fácil e provavelmente exigiria releituras para quem quisesse entender a fundo.
  • Denationalisation of money (Hayek): Nesse livro o Hayek explica por que a provisão estatal de moeda é problemática, advogando pelo fim desta em favor de moedas privadas concorrentes. Embora haja diversos problemas com a argumentação dele, as críticas são muito boas e bastante à frente de seu tempo, visto que só recentemente essas ideias vieram ser implementadas na realidade com as criptomoedas.
  • The ethics of liberty (Rothbard): Nesse livro seminal, Rothbard apresenta a ética libertária com uma base em direitos naturais e de fato unifica a tradição anarquista americana com a escola austríaca. Talvez tenha ficado um pouco datado hoje, mas é um livro sensacional e muito controverso.
  • The Economics and Ethics of Private Property (Hoppe): Esse livro é uma resposta e superação do livro anterior do Rothbard, em que o Hoppe deriva sua ideia da ética da argumentação (argumentation ethics), uma derivação a priori da propriedade privada que não exige mais direitos naturais e não cai na Guilhotina de Hume (ou seja, que um "ser" não pode implicar um "dever ser"), o que Rothbard não fez. Ou seja, nenhum sistema ético imaginável pode ser contra a propriedade privada, entendida como direito de uso e controle absoluto sobre recursos. O livro é dividido em duas partes, de economia e de ética (que obviamente estão associadas).
comentou Fev 5 por danielcajueiro (6,086 pontos)  
Esse livro é bom: "12 Rules for Life: an antidote to chaos". Os de economia preciso olhar com cuidado. Acho que ja li o do Mills, mas ja tem tempo.
comentou Fev 5 por Raíssa (876 pontos)  
Também li o Fahrenheit 451, e concordo que os outros clássicos distópicos “1984” e “Admirável Mundo Novo” são melhores. O que achei bem interessante no F451 é a crítica que o autor faz às telas, e a importância que ressalta dos livros.
...