Primeira vez aqui? Seja bem vindo e cheque o FAQ!
x

Vale a pena um estudante de economia aprender Julia como primeira linguagem de programação?

+2 votos
41 visitas
perguntada Jan 26 em Economia por Thiago R. Luz (11 pontos)  
reclassificado Jan 27 por Thiago R. Luz

Estou planejando aprender minha primeira linguagem de programação este semestre, porém tenho dúvidas quanto à linguagem. Li que a linguagem Julia é muito boa para o que preciso, mas achei poucos cursos em comparação com R que tem até cursos de análise macro em R.
Deixo claro que meu interesse em programação é para atuar como economista, não quero ser cientista de dados.

Vale a pena estudar Julia, que na minha opinião é a linguagem mais completa, mesmo com poucos cursos e bibliotecas disponíveis?

Compartilhe

1 Resposta

+2 votos
respondida Fev 2 por danielcajueiro (5,441 pontos)  

Cada linguagem tem a sua vantagem. Julia sem dúvida é uma excelente linguagem e para aqueles que usaram o Matlab no passado seria uma vantagem adicional, pois Julia lembra muito o Matlab.

Eu diria que a maior vantagem de Julia é que ela é muito rápida. Logo, com essa informação, não tenho dúvida que Julia seria uma boa linguagem para começar.

Entretanto, se fosse escolher uma apenas, não seria Julia. Minha escolha seria o Python. Ela é uma das linguagens mais populares que implica em uma comunidade gigante que pode te ajudar nas dúvidas e em fornecer exemplos na internet e a quantidade de bibliotecas que ela possui. Tendo dito isso, a estrutura de python é extremamente elegante e ela foi pensada com todos os detalhes. Muitos pesquisadores de diferentes áreas de economia estão migrando para python (e para Julia também provavelmente) Um pouco da filosofia do python vc pode encontrar em The Zen of Python, by Tim Peters

import this

Beautiful is better than ugly.
Explicit is better than implicit.
Simple is better than complex.
Complex is better than complicated.
Flat is better than nested.
Sparse is better than dense.
Readability counts.
Special cases aren't special enough to break the rules.
Although practicality beats purity.
Errors should never pass silently.
Unless explicitly silenced.
In the face of ambiguity, refuse the temptation to guess.
There should be one-- and preferably only one --obvious way to do it.
Although that way may not be obvious at first unless you're Dutch.
Now is better than never.
Although never is often better than right now.
If the implementation is hard to explain, it's a bad idea.
If the implementation is easy to explain, it may be a good idea.
Namespaces are one honking great idea -- let's do more of those!`

...