Primeira vez aqui? Seja bem vindo e cheque o FAQ!
x

As fontes de energia alternativas são opções viáveis para contribuir com a gestão e distribuição de energia elétrica no Brasil?

+1 voto
218 visitas
perguntada Jun 7, 2015 em Engenharia por danielcajueiro (5,171 pontos)  
Compartilhe

1 Resposta

+3 votos
respondida Jun 12, 2015 por Pietro Ribeiro (426 pontos)  
selecionada Jun 12, 2015 por DanielTheRocketMan
 
Melhor resposta

Para contribuir, a resposta é sim. No entanto, ainda estamos longe do dia em que poderemos dispensar com as formas tradicionais de geração. Um dos problemas parece estar associado à questão de garantir a estabilidade do fornecimento de energia, principalmente devido as picos intradiários de consumo que requerem a possibilidade do aumento da produção. Isso, por sua vez, exige alguma forma de controle sobre o recurso utilizado na geração (via reservatórios no caso da energia hidrelétrica, ou via o estoque de combustíveis fósseis no da energia térmica), o que não ocorre, por exemplo, no caso dos ventos.

A energia eólica é, atualmente, a possibilidade mais promissora. Na Bahia, por exemplo, já se encontram em operação diversas fábricas para produção de equipamento eólicos e já existem alguns parques eólicos em operação (apesar de alguns atrasos na malha de distribuição). Apesar do alto custo fixo do investimento, o custo de operação é (relativamente) baixo. Com a instalação das fábricas de equipamentos no país, o custo fixo deve diminuir e tornar o investimento ainda mais atrativo.

A principal vantagem da energia eólica é que, devidos às particularidade climatológicas do país, parece haver uma complementariedade entre o regime de ventos e o regime de chuvas, o que acarreta em uma complementariedade entre a geração hidrelétrica (responsável pela geração da maior parte de nossa energia elétrica) e a eólica (http://www.epe.gov.br/imprensa/Clipping/20120525_f.pdf). Isso é promissor, pois temos que lembrar que Sistema Integrado Nacional é basicamente um sistema hidrotérmico que busca minimizar o uso de energia térmica (não só por ela ser mais poluente, mas principalmente por ser mais cara). Essa complementariedade ajudaria a reduzir o consumo nacional de combustíveis fósseis utilizados em usinas térmicas. Mais ainda, os preços do MWh hora de energia eólica são, em geral, menores do que preço do MWh de energia térmica (para quem quiser informações sobre preço:http://www.acendebrasil.com.br/br/analises) .

Para os céticos, a China já tem capacidade instalada de aproximadamente 75GW em energia eólica , e pretende chegar a 200 GW em 2020 (http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2014/01/140108_china_eolica_mdb). Itaipú, nossa usina hidrelétrica com maior capacidade instalada, tem 14GW e é responsável pelo fornecimento de 17% da energia elétrica do país.

Existem outras possibilidades para a geração de energia renovável: a energia termossolar e a energia solar poderiam ser aproveitadas em menor escala, principalmente em regiões como o Semi-Árido, com baixo consumo de energia e altos índices de incidência solar. Porém, ainda falto um tempo para que elas possam ser consideradas de fato possibilidade promissoras.

A geração via biomassa também é outra alternativa (http://economia.estadao.com.br/noticias/mercados,producao-de-energia-via-biomassa-pode-crescer-ate-15-em-2015,1642229). Na verdade, trata-se de usinas térmicas que não utilizam combustíveis fósseis para produzir. Entre os materiais utilizados, temos bagaço de cana (de açúcar), licor negro, madeira, biogás e casca de arroz. Para um resumo do setor no Brasil: http://www.aneel.gov.br/arquivos/pdf/atlas_par2_cap4.pdf.

Para maiores informações sobre o assunto, consultar: http://www.aneel.gov.br/arquivos/PDF/atlas3ed.pdf (parituclarmente, a Parte II).

...